domingo, 16 de dezembro de 2012

O mundo aos pés do bando de loucos

Aviso aos navegantes que a pessoa que vos fala é corintiano roxo, mas tentarei fazer uma análise crítica do jogo e da vitória do Corinthians no Mundial. Isso até onde a minha paixão permitir.
Tudo o que havia pensado e pedido antes de dormir, tanto que cheguei a expressar isso no Facebook, aconteceu.
Pedi que os defensores corintianos estivessem muito inspirados, e isso pode se resumir à palavra Cássio. Ele não é um goleiro magnífico, muito menos deve estar na seleção, mas se tem um verbo que não faz parte de seu vocabulário é PIPOCAR. Ele foi simplesmente impressionante nas suas intervenções.
Fiz uma prece também para que nossos atacantes estivessem inspirados, porque não era difícil imaginar que teríamos pouquíssimas chances de fazer um gol. Tá aí...a única bola que foi no gol, Guerrero guardou. Esse por sinal, fez uma bela partida na função de pivô.
Pena que os elogios de uma boa partida não cabem a Paulinho e Emerson. Esse não fizeram um bom jogo, mesmo se dedicando ao máximo e lutando por cada bola.
Mas, foi só por a bola no pé de Danilo. Impressionante e até agoniante a calma desse jogador para sair jogando a cada vez que o Corinthians desarmava o Chelsea.
Guerrero: autor dos dois gols no time no Mundial
Sobre o time inglês, destaco o zagueiro David Luiz. Esse joga demais e, ainda bem que é brasileiro. Agora, título mundial é título mundial. Parece simples, não?! Não para os ingleses. Mesmo perdendo não pressionavam o Corinthians e jogavam com certo desdém. Deu no que deu.
O título veio a lá Tite. Duas goleadas por 1 a 0 e o caneco vindo para o Parque São Jorge. Essa pode não ser a maneira mais bonita de se jogar, mas é muito eficiente.
Por fim, vem meu lado torcedor. Fiquei nervoso, gritei, xinguei, vibrei e fiquei um pouco mais nervoso, mas valeu muito a pena. Tenho muito orgulho de ser corintiano. Aqui é CORINTHIANS - não é um time que tem torcida. É a torcida que tem um time.
PS: vamos parar com essa história de anti na rede social. Isso é palhaçada. Só faltava um palmeirense, são-paulino ou santista torcendo pelo Corinthians. Se fosse algum deles que estivesse lá também torceria contra.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Quando a prática ataca a teoria

Atacante. Se formos buscar no dicionário brasileiro, encontraremos como sinônimo de atacante, aquele que agride, assaltante, invasor. No vocabulário futebolístico, seria o dianteiro, o jogador da linha de ataque. Até mesmo os significados não conseguem ser tão claros na teoria, quanto na prática. A prática revela muito mais do que apenas um dianteiro, ou um jogador da linha de ataque. E o significado não vem em forma de escrita neste Brasileirão, vem na forma de gols.

Demorando até um pouco mais para aprofundar a análise, busquemos o objetivo principal deste esporte que  é o futebol: ganha aquela equipe que marcar mais gols do que a adversária. Não se menospreza, entretanto, o defensor, o volante, o zagueiro, o lateral, o líbero. Muito menos, aqueles que dão assistências, os jogadores de ponta, os meias, os elementos surpresas do futebol. Mas aquele que tem de ser craque, o protagonista da partida, o finalizador, este, este tem de ser fera. O atacante faz a diferença.

Pego de exemplo a décima primeira, e a mais recente rodada do campeonato brasileiro para demonstrarmos o quanto uma andorinha só, pode fazer verão:

O Vasco venceu o Peixe, segundo gol marcado por Alecsandro. O Galo contou com boas atuações de Bernard, Ronaldinho... mas Jô guardou o dele na goleada por 4 x 1 sobre o Sport. Obina fez a sua reestreia em casa pelo Verdão também com um gol. Willian José e Ademílson marcaram à favor do desfalcado São Paulo. O Inter deslanchou uma goleada com gols de Dagoberto e Jajá. O Cruzeiro bateu o Fla com um tento de Borges. O Grêmio estragou a festa de Seedorf com gol de Marcelo Moreno. Fred fez de pênalti o gol da vitória tricolor. E até ele: Souza marcou no empate contra o Coxa.

Nos quatro primeiros colocados do campeonato, são contabilizados no mínimo 10 atacantes de ofício: André, Jô, Guilherme (Atlético-MG), Alecsandro (Vasco), Fred, Rafael Sóbis e Rafael Moura (Fluminense), Marcelo Moreno, Kléber e André Lima (Grêmio).

Corinthians campeão da Libertadores com gol de Romarinho no primeiro jogo da decisão, dois gols de Emerson Sheik no Pacaembu. Palmeiras campeão da Copa do Brasil, com gol de Betinho, no Couto Pereira.

A história nos mostra que os melhores jogadores de todos os tempos atuavam no ataque. Os recordes também nos ajudam a dar uma grande importância aos homens de frente. Os resultados provam o quanto é importante hoje no Brasil ter um grande atacante. Portanto, que os clubes dêem maior valor ao ataque, gastem mais capital com grandes atacantes. Os clubes brasileiros podem ensaiar uma retranca, mas o coração bate é lá na frente.






sábado, 21 de julho de 2012

(Falta de) Inteligência

Primeiro, gostaria de parabenizar os blogueiros Carlos Eduardo Sâmia e Gustavo Mascarenhas pelos últimos posts sobre esse tema, que infelizmente em nosso futebol, sempre está em pauta: a falta de organização dos clubes e o vai-e-vem dos técnicos. 
Mas pretendo ir um pouco mais além. Pensar na capacidade intelectual dos dirigentes futebolísticos de grande parte dos clube brasileiros. 
Será que eles não acompanham o noticiário? Não olham para seus vizinhos? Ou não ouvem conversas do assunto mais falado no Brasil?
Não precisa ser nenhum gênio, muito pelo contrário, para saber que o segredo do sucesso para os clubes está na continuidade. Isso, que antes era "coisa de europeu", chegou ao futebol canarinho e obteve sucesso. Podemos usar como exemplo Corinthians e Palmeiras. Os dois já tiveram seus técnicos na corda bamba por várias vezes e, mesmo assim, bancaram a permanência deles.
O que falta aos outros clubes para seguirem essa tática?
Então fica aqui mina sugestão para Patrícia Amorim, presidente do Flamengo, que pode ser a próxima a movimentar a dança das cadeiras: mantenha Joel Santana no cargo. Afinal, o mercado está sem opções melhores e a sequência do técnico pode ser o segredo do "sucesso" numa próxima tentativa de trazer Riquelme.

Gangorra

Altos e baixos envolvem o futebol brasileiro nas últimas semanas. Como disse meu amigo Gustavo Mascarenhas, no post abaixo, Inter e São Paulo são grandes exemplos de clubes que vivem momentos frustrantes, enquanto times como Atlético-MG e Fluminense, respiram tranquilamente em território canarinho.

A constante troca de treinadores no São Paulo, no Internacional, no Bahia e em um futuro próximo, no Flamengo, mexem com a estrutura de quem vive dentro e fora do clube, como foi o caso de Riquelme, que como o próprio diretor de futebol rubro-negro disse, recusou a proposta flamenguista por questões futebolísticas, após o revés contra o Timão em pleno Engenhão, por 3 x 0.

Na parte alegre brasileira, no que diz respeito ao futebol, o Galo parece mais vingador do que nunca, com vitórias maiúsculas e um forte elenco brigando como nunca vi, pelo título brasileiro. Já o Flu manteve a base do ano passado e conta com a regularidade de Fred e Deco para decolar também neste brasileirão. 

Enquanto Inter e São Paulo buscam novos ares para entrosar, encaixar e sei lá mais o quê fazer com o ótimo elenco que os pertence, Fluminense e Atlético-MG tentam se manter na ponta da tabela. Porém, os retornos de atletas olímpicos somados às contratações de Seedorf, Forlán, Juan e Guerrero, fazem com que este ano brasileiro pareça ser mágico. Que assim seja! Estou gostando de ver, acho que vocês também. 

Atlético-GO --> Enquanto não acha um treinador de ponta, o clube conta com a experiência de jogadores rodados como Felipe, Joílson e Bida para sair da zona de incômodo da tabela, fazendo exibições interessantes, como foi contra o Figueira e contra o Vasco, mesmo saindo derrotado de São Januário.

Atlético-MG --> Enquanto resolve a permanência de André, Guilherme e Jô vão dando conta do recado, o Galo vai vencendo jogos seguidos no campeonato e a bela zaga formada por Leonardo Silva, Réver e Rafael Marques, não deixa a desejar à nenhuma outra defesa no Brasil.

Bahia --> Com a saída do técnico Falcão, o tricolor baiano aposta fortemente nos recentes reforços (Mancini e Kléberson) para subir na tabela. Lulinha, Júnior, Souza e Gabriel não deram contra do recado até agora e não vão dar. Precisa seriamente de reforços...

Botafogo --> A chegada de Clarence Seedorf parece ter animado o ambiente alvinegro. Sem perder a quatro jogos, o glorioso finalmente vai contar com o holandês contra o Grêmio. O meia promete agitar o brasileirão, e tomara que agite as almas brancas e negras que permanecem adormecidas desde 1995.

Corinthians --> Finalmente com força máxima, Tite conseguiu dois triunfos consecutivos e mesmo com a saída de Castán, o alvinegro conseguiu demonstrar muita consistência na zaga. Com o retorno de um time guerreiro, além das contratações de Martínez e do próprio peruano Guerreiro, o Timão também promete neste Brasileirão.

Coritiba --> Marcelo Oliveira parece intacto no comando do Coxa. Com a volta do futebol de Rafinha e Éverton Ribeiro, já que ambos deixaram a desejar na reta final de Copa do Brasil, o Coritiba parece voltar a ser grande em casa e bastante incômodo fora dela.

Cruzeiro --> Fechadinho o time vai bem. Quando precisa ir para o ataque, geralmente tem sido surpreendido. Achando o equilíbrio da equipe, somado aos reforços de Sandro Silva, Martinuccio e Borges, a Raposa tem muito a render no campeonato.

Figueirense --> Loco Abreu chegou e a equipe continua na mesma. Irregularidade e fragilidade na zaga fizeram com que Argel Fucks fosse demitido. Agora a equipe que ultimamente tem revelado os melhores jogadores da elite do futebol nacional, precisa encontrar forças em reforços e em líderes como Túlio e Anderson Conseição para fugir da atual colocação.

Flamengo --> A janela fechou e nada aconteceu. Diego, Juan, Riquelme... nenhum camisa 10 e nenhuma grande reforço chegou. Não basta a torcida virar de costas para o jogo, mas a massa rubro-negra precisa apoiar o elenco que tem e que não é ruim (Ibson, Vágner Love, Renato Abreu, Léo Moura, etc) para que o Mengão supere o atual momento.

Fluminense --> Depois da triste eliminação de uma Libertadores, os contundidos e líderes do tricolor das Laranjeiras deram o ar da graça e estão deixando torcedores do Brasil inteiro, de queixo caído. Fred, Thiago Neves, Deco, Anderson.... o Pó de Arroz é forte candidato ao troféu de campeão brasileiro.

Grêmio --> Após um período de oscilação, o "pofexô" Luxemburgo parece ter encontrado o caminho certo para o Imortal. Moreno, Kléber e Zé Roberto receberam a chegada de Elano com ótimos olhos e ótimos resultados. Agora é manter pra ver.

Internacional --> Sem contar com Damião e Oscar nas olimpíadas, além da demissão de Dorival Jr. (injusta na minha opinião), o colorado conta com a grande contratação de Diego Forlán para motivar o belo elenco, que, se não agora, deve agitar a reta final de brasileiro com o elenco completo, talvez o melhor elenco do Brasil.

Náutico --> Se apenas o Araújo não era suficiente, Kieza voltou e já mostrou ser de grande utilidade para o elenco do alvirrubro. Mas sem grandes jogadores, não há como lutar por título. Se não houver contratações, o jeito é continuar tirando pontos de quem precisa, além de se manter na elite do futebol nacional.

Palmeiras --> Com a vaga na Libertadores 2013 garantida, o jeito é testar. Com a chegada de Obina, Felipão deve entrosar a equipe alviverde e torná-la mais forte do que nunca em questão mata-mata, especialidade do pentacampeão. Mas ainda é preciso reforço. E não é pouco reforço não...

Ponte Preta --> Contar com Roger e a torcida não bastará. João Paulo Silva vendido para o Atlético-PR e reforços não chegam. Apenas o bom treinamento de Gilson Kleina não aguentará a pressão do campeonato brasileiro. Sem reforços, é um sério candidato à técnico demitido e ladeira abaixo.

Portuguesa --> Fazer uma partida boa a cada quatro disputadas parece não agradar ao torcedor lusitano, que na última partida, salvou apenas o goleiro Dida de ofensas. Grupo de série B, diretoria sem recursos, apenas uma reviravolta tira a Lusa de dois fracassos consecutivos na elite do Brasileirão.

Santos --> Neymar e Rafael fora por algum tempo, Ganso pode ficar fora para sempre. Os reforços não são mais os mesmos, vistas as chegadas de Miralles e Gérson Magrão na baixada santista. O centenário do Peixe deve ser macabro, mantendo assim a tradição de péssimas campanhas de clubes brasileiros, no ano em que se completa 100 anos de história. Mas com equipe de Muricy Ramalho, não se brinca!

São Paulo --> Ney Franco chegou, Rafael Tolói reforçou e nada mudou. O problema parece ser mais acima. Se o tricolor do Morumbi não se espelhar na organização e formação daquela base tricampeã brasileira, fica difícil almejar algo a mais do que uma vaga na Libertadores.

Sport --> A chegada de jogadores rodados, como Cicinho, Felipe Menezes e Gilberto podem gerar uma reviravolta na Ilha do Retiro. Jogar bem em casa e mal fora não resolve. Uma dose de regularidade pode ajudar o Leão a despontar nesse Brasileiro.

Vasco --> Com as prováveis saídas de Diego Souza e Fagner, o jeito é apostar na base que trouxe o Vasco a ponta do futebol brasileiro. Alecsandro, Juninho, Felipe e Dedé ainda são grandes apostas da Colina para que o Trem Bala dispare pelo segundo ano consecutivo.

E aí? Gostou do resumo do seu time? Comente! Bom Brasileirão pra você ;)

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Onde estão aqueles clubes-modelo?


São Paulo e Internacional não parecem ser os mesmos clubes que eram há pouco tempo atrás. Hoje, sexta-feira, 20 de julho, foi anunciada a demissão de Dorival Junior da equipe gaúcha, o que apenas demonstra a desorganização que ocorre no Beira-Rio. O São Paulo não fica atrás e também demitiu seu ex-técnico Leão não faz nem um mês, mesmo com um aproveitamento maior que 60%.
O Inter aparece na 8ª colocação do Brasileirão, apenas 2 pontos abaixo do G-4, jogou contra o líder da competição (Atlético-MG), sem seus dois principais jogadores (Damião e Oscar) e contou com a expulsão estúpida de D’Alessandro ainda no primeiro tempo. Com tudo isso, derrota por 3 a 1, mas fica a pergunta: a culpa realmente era do técnico Dorival Junior? Creio que não, mas é muito mais fácil tirar o comandante da equipe, do que banca-lo e dar suporte para seu trabalho.
Dorival Junior não suportou a derrota para o Atlético-MG e foi demitido
No São Paulo, as coisas também não andam muito bem. Mesmo com a equipe na 7ª posição, com a mesma pontuação do Inter (16 pontos) e muito próximo do grupo que se classifica para Libertadores, as vaias da torcida no jogo contra o Vasco já começam a incomodar Ney Franco, que dirigiu a equipe em apenas 2 partidas. O tricolor vinha invicto em casa, com 4 vitórias em 4 partidas, mas bastou uma derrota para o vice-líder do Brasileirão para as arquibancadas do Morumbi pressionarem os jogadores.
Somado as vaias, o tricolor paulista vem exibindo uma diretoria perdida e realizando diversas bobagens no comando do São Paulo. Juvenal Juvêncio barrou a escalação de jogadores, mais precisamente Paulo Miranda, e causou tumulto no elenco. Leão, que convivia com o grupo diariamente, tentou contornar a situação, mas ela se tornou insustentável e o técnico acabou demitido. Uma total bagunça.
Leão foi vítima da desorganizada diretoria de Juvenal Juvêncio
Já está na hora de Internacional e, principalmente, São Paulo arrumarem a casa, para voltar a ser os exemplos que foram poucos anos atrás, o que tornou as equipes sinônimo de títulos importantes, como Libertadores e Mundial de Clubes.
São Paulo e Inter: sinônimo de glórias na primeira década dos anos 2000

sexta-feira, 13 de julho de 2012

"Amistoso" rumo a Londres!

Depois de passar por adversários mais fracos (Espanha B e Chile), Brasil e Argentina se encontraram novamente na decisão do Super Four, campeonato preparatório para a Olimpíada de Londres. O Brasil venceu e convenceu por 91 a 75.

A Seleção Brasileira, sem Leandrinho e a Argentina, sem Ginobili, tinham tudo para fazer um jogo com clima amistoso, já que a partida não valia uma grande conquista. Mas "PERA LÁ"! Qual a chance desse confronto ser amistoso?!

Ficou por conta de Marcelinho Machado e Leo Gutierrez a incumbência de colocar fogo no jogo com uma belíssima e exemplar troca de carinhos, caracterizada por empurrões, logo separada pelos outros jogadores.

Mas é desse fato que veio a melhor frase da noite. Na Moral, o comentarista do SporTV, Alberto Bial, disse a seguinte frase enquanto a câmera foca o pivô Nenê: "Quero ver ser valente na hora certa".
Não sei se Bial disse isso propositalmente para o jogador da NBA, mas que caiu como uma luva, isso caiu. Afinal, com os inúmeros pedidos de dispensa da Seleção, Nenê tem a chance de mostrar que não é pipoqueiro agora em Londres, e brigar sim, mas por uma medalha.

Voltando ao jogo, um jogador que mostrou valentia na hora certa. Raulzinho é o nome da fera. O jogador que é promessa para Rio 2016, mostrou que pode ser realidade agora em Londres. Marcando muito bem, caracterizadO por belíssimas roubadas de bola, e com bandejas eficientes, o jovem mostrou que está no caminho certo.

Agora, o Brasil volta a quadra para enfrentar os EUA em mais um amistoso preparatório. Esperamos não ver um show tão grande do Dream Team norteamericano, como foi contra a pobre República Dominicana.

A seleção do 1º semestre

Uma das coisas mais legais do futebol, e da vida de uma forma geral, é fazer listas e selecionar os melhores em algo. Nesse post, tentarei falar, claro que na minha opinião, quais foram os melhores jogadores em cada posição no futebol nacional nesse primeiro semestre.
Como de costume, os times campeões acabaram levando certa vantagem na hora de analisar os jogadores, como no caso do Corinthians, campeão da Liberadores e com 5 jogadores nesse selecionado. Abaixo segue a lista e uma explicação sobre a escolha de cada jogador:

Goleiro: Cássio - Mesmo sem conseguir passar grande confiança no gol alvinegro, Cássio foi responsável pela defesa mais importante do 1º semestre (o chute de Diego Souza nas quartas de final da Libertadores). Como segunda opção está Bruno, do Palmeiras, que teve grande participação na Copa do Brasil, ao substituir Deola no gol palestrino.

Zagueiro 1: L. Castán - Seguro, preciso nos desarmes e com participação fundamental na conquista do título da Libertadores do Corinthians. Não à toa, conseguiu uma transferência para Roma. Rever e Rafael Marques, ambos do Atlético-MG, vem fazendo ótima temporada no galo mineiro e também brigam por uma vaga nessa seleção.

Zagueiro 2: Henrique - Ao assumir o papel de volante, um pouco à frente da zaga, deu consistência para defesa do Palmeiras a partir da partida contra o Grêmio, na semifinal da Copa do Brasil. T. Heleno, outro defensor alviverde, conseguiu ótimas partidas ao voltar de lesão já no meio do semestre.

Lateral direito: Marcos Rocha - Assim como no ano passado, jogando pelo América-MG, destacou-se no campeonato mineiro, dessa vez jogando pelo Atlético. Com bom apoio ao ataque, facilita a vida dos armadores do galo e dificulta a de seus adversários.

Lateral esquerdo: Juninho - Outro exemplo de continuidade de bom trabalho. Como Marcos Rocha, saiu de equipe menor (Figueirense) para o Palmeiras e parece não ter sentido a pressão. Muito bom no apoio, ainda fica devendo um pouco quando o assunto é marcação, porém, por falta de concorrência, é titular neste primeiro semestre.

Volante: Ralf - O cão de guarda corintiano já é barbada entre os melhores do futebol nacional. Manteve o nível das atuações, com muitos desarmes e poucas faltas, e ainda apareceu no ataque para deixar sua marca, como na primeira partida do Corinthians pela Libertadores, contra o Deportivo Táchira, ao empatar a partida já aos 48 minutos do segundo tempo. Fernando, do Grêmio, vem realizando boas atuações no sul do país, mas ainda mostra irregularidade.

Meia 1: Paulinho - Seguindo o mesmo exemplo de Ralf, é figurinha carimbada na seleção de qualquer um. No esquema de Tite, marcar e sair para o jogo são aspectos fundamentais e Paulinho faz isso com perfeição. Como homem-surpresa no ataque, marcou gols importantíssimos. O maior exemplo é contra o Vasco, pela Libertadores. Para sua reserva: Marcos Assunção. O volante do Palmeiras continua com as cobrança de faltas perfeitas e agora exercendo uma liderança maior sobre o grupo do Palmeiras. Ainda foi eleito o melhor jogador da Copa do Brasil.

Meia 2: Deco - Os passes precisos e diferenciados no meio de campo do Fluminense saem sempre dos pés de Deco. O luso, mesmo não jogando grande parte das partidas do tricolor das Laranjeiras, já conseguiu diversas assistências no campeonato Brasileiro. Se estivesse presente nas partidas decisivas da Libertadores, o Flu poderia ter ido mais longe. Jogando em uma posição um pouco diferente de Deco, Danilo mantem seu estilo 'dorminhoco', mas que aparece nas horas mais importantes da partida. Uma boa opção caso não esteja disponível.

Atacante 1: Emerson - Somente os dois gols na partida decisiva da Libertadores já colocariam Sheik na lista dos melhores do semestre, mas o camisa 11 do Corinthians marcou também outros gols incríveis na competição continental, como contra o Santos, em plena Vila Belmiro.

Atacante 2 : Neymar - Não foi tudo aquilo que podia ser, mas ainda assim conquistou o campeonato Paulista para o Santos. Em um lance consegue mudar o rumo de uma partida. Escondeu-se na principal partida do semestre, contra o Corinthians, mas ainda é o melhor jogador atuando nos gramados brasileiros.

Centroavante: Barcos - Começou muito bem no campeonato Paulista, marcando gols em clássicos. Manteve o ritmo e teve grande importância no esquema de Felipão no Palmeiras. Poderia ser destaque nas finais da Copa do Brasil, mas sofreu com uma crise de apendicite. Outros centroavantes correm por fora: Vagner Love, Luis Fabiano e Fred, todos com ótima média de gols, mas não tão regulares quanto 'El Pirata'.


KIAssalto que nada! Palmeiras campeão!

Andam dizendo que o Palmeiras foi ajudado pela arbitragem nessa Copa do Brasil. Se os senhores do apito tiveram em algum momento intenção de beneficiar o Verdão deve ter sido por pena. Pena! Basta lembrarmos o retrospecto do alviverde na competição para balancearmos os lances prós e contras o Palmeiras. Recapitulou os lances contra o Paraná? Contra Atlético-PR? E a expulsão do Henrique na semifinal?

Se os torcedores do Coxa quiserem reclamar de algo, que reclamem do próprio time. O aviso foi dado contra o São Paulo, quando Paulo Miranda foi expulso na primeira partida das semifinais, no Morumbi, e a equipe do Coritiba se apagou, viu o tricolor ir pra cima e tomar um gol no final, de Lucas. Na primeira partida da final, o Coxa pressionou o Palmeiras no campo defensivo, como se fosse uma caça ao porco. Mas bastou a expulsão do Mago para que os jogadores desligassem a força máxima. Faltou vibração, faltou responsabilidade, faltou raça de um campeão.

Isso o Palmeiras teve de sobra, e desde o início da competição. Falar de esquema de arbitragem depois de analisar todos os lances da Copa? Acho injusto contra um time que tinha Luan incansável, Marcos Assunção insubstituível e Valdívia decisivo. Justo é dar os parabéns ao maior campeão nacional!

Mas que fique a dica à KIA, para que não haja qualquer suspeita sobre um limpo e justo campeonato, que os patrocinadores do torneio e da equipe campeã, não sejam os mesmos. Se houvesse uma cláusula na qual o possível parceiro da Copa do Brasil, não pudesse estar estampada no uniforme de qualquer equipe participante deste, não haveria problema. 

Agora, o jeito é comemorar...


Palmeiras, campeão da Copa do Brasil 2012

sexta-feira, 6 de julho de 2012

O reinado pode voltar


Roger Federer há muito tempo já pode ser considerado o melhor de todos os tempos da história do tênis. Até aí tudo bem. Mas parece que o suíço ainda quer um pouco mais.
A demonstração para tal afirmação foi dada hoje no torneio de Wimbledon, sem dúvidas um dos torneios mais importantes, se não o maior, do circuito da ATP, mais precisamente na quadra central do All England Lawn Tennis and Croquet Club, contra ninguém menos do que o, até então, número 1 do ranking, o sérvio Novak Djokovic.
Federer comemora ao final da partida contra Djokovic
Mesmo jogando uma semifinal sem muita graça, cheia de erros e com os tenistas muito abaixo do seu potencial, Federer não se esqueceu de demonstrar a calma, elegância e técnica pela qual é conhecido. No final, vitória em quatro sets sobre Djoko, com parciais de 6-3, 3-6, 6-4 e 6-3.
Com a classificação para final, Federer poderá igualar o recorde de sete títulos na grama sagrada de Wimbledon, hoje dividido por Pete Sampras e Willian Renshaw, o segundo ainda no final dos anos 1800. Além disso, caso vença o torneio, o suíço reconquistará a primeira posição do ranking, igualando o maior número de semanas no topo, 286, marca também de Pete Sampras, e ainda ampliará o número de conquistas de Grand Slams em sua carreira, atualmente em 16, já um recorde que pertence à Federer.
Seja contra quem for, Murray ou Tsonga, Federer é amplamente favorito nesta final. Basta jogar aquilo que sabe neste domingo, para colocar de vez seu nome, escrito em letras douradas, como o maior jogador de todos os tempos. Como dizem seus fãs: Come on Roger!
Com elegância de sobra, Federer levanta uma de suas taças de Wimbledon

quinta-feira, 5 de julho de 2012

A graça acabou, o mundo ficou louco! Corinthians campeão.

Para quem pensava em ver o Corinthians campeão da Libertadores em um sonho, ou até mesmo no Playstation, é melhor acordar ou desligar o vídeo-game... Terminou ontem a maior piada de todos os tempos do futebol. Óbvio que isso se relaciona aos anti-corintianos, porque para o bando de loucos, o mundo pode mesmo acabar em 2012 que o maior alvo da equipe em toda a história do futebol, finalmente foi conquistado. O Corinthians é campeão da Libertadores.

Fora todas as comemorações e os êxitos dos torcedores, lembremos de uma peça que foi bem contratada pelo Corinthians. Andrés Sanches deve ter pensado: "Preciso de um cara pra decisão, que na hora H não treme, que vai fazer o meu time ser campeão". Depois de ver um currículo que contava com o Campeonato Brasileiro de 2009 com o Flamengo, de 2010 com o Fluminense (fazendo o gol do título na última rodada contra o Guarani no Engenhão), o presidente trouxe logo Emerson Sheik. Se mais um Brasileirão conquistado em 2011 pelo alvinegro não é suficiente, Sheik tratou logo de marcar na semifinal contra o Santos na Vila, dar o passe para Romarinho deixar tudo igual no primeiro jogo da final e finalmente liquidou o jogo da volta. 

Se faltava um algo a mais para o Corinthians não tremer, esse a algo mais foi Emerson Sheik



Fica então aqui o parabéns do blog JOGADAdeMESTRES à todos os corintianos que mereceram este tão sonhado título do todo poderoso. Se o futebol não foi mais agradável, nenhuma outra equipe agradou. Se não foi contra uma boa equipe, nenhuma outra foi tão superior. E se faltava a Libertadores, não falta mais. É invicto, é pra acabar com a graça dos "antis", é pra comemorar.







04/07/2012 - Corinthians campeão da Libertadores da América

terça-feira, 3 de julho de 2012

Mi casa, su casa

Estranhei quando me deparei com o Fantástico sendo apresentado diretamente do estádio do Pacaembu neste Domingo. Tadeu Schmidt entrando nos vestiários, falando sobre reportagem especial do Romarinho e colocando o Brasil à favor do Corinthians.

Neste mesmo caminho, Caco Barcelos aparece nos comerciais globais direto da Bombonera e falando sobre o jogo de quarta, jogo da volta no Pacaembu, divulgando que o programa irá cobrir todos os passos do Corinthians "rumo ao título mais importante da sua história".

Cansados de saber que a torcida do Corinthians é enorme e a melhor no sentido de empurrar o seu time às suas conquistas, todos estamos, mas estampar descaradamente o apoio e televisionar os fatos relacionados ao jogo em vários programas do canal, não estavam nos planos do telespectador.

Como disse o próprio Tite: "O Corinthians não é o Brasil na decisão". Fazer tudo o que a Rede Globo acabou de fazer, não está errado. NÃO! Acho que deveriam fazer sempre que alguma equipe brasileira chegasse onde o Corinthians chegou. 

Mas esta é a questão: Tudo tem uma primeira vez, e essa vez já aconteceu. Será que farão todas as vezes? Mesmo que seja com outra equipe? E se essa outra equipe for de menor expressão? O primeiro passo foi dado, e a Globo terá que caminhar sempre, seja para qual lado for.



segunda-feira, 2 de julho de 2012

Pode confiar!

Obrigado à todos que confiaram e que agora seguem nosso blog!

A notícia bombástica sobre Seedorf no Botafogo nos rendeu um aumento de quase 150% no número de visitantes e grande número de comentários.

Apesar da notícia principal ter sido correta, queria apenas retificar que Seedorf irá receber R$700 mil reais por mês, fora R$1,5 mi de luvas, não R$450 mil reais como eu havia citado. Além disso, o contrato é de 2 anos, não de 1 ano e meio.


Continuem acessando e divulgando para que a eficiência e credibilidade do nosso blog aumente cada vez mais! Novamente obrigado e Fogão, chegou a hora da sua estrela solitária brilhar.


sexta-feira, 29 de junho de 2012

Incomodados: não se acomodem.

O futebol está aí para incomodar. Voltemos ao passado para celebrarmos o jogo apenas pelo jogo, pelo jogado. O que te vem a cabeça? Laranja Mecânica, Brasil de 82, Flamengo de Zico. Chego no presente para perguntar se a Arte, o Encanto e o Espetáculo ainda podem ser encontrados? Alguns podem falar que sim, é óbvio, basta ver o Barcelona de Messi, o Madrid de Cristiano Ronaldo, aqui, mais próximo, o Santos de Neymar. Por mais que respeite, digo que este papo já ficou no passado.

Passado recente, até porque seria redundância da minha parte vangloriar estes craques e melhores do mundo atualmente. Mas o futebol hoje é o seguinte: enquanto o Santos e o Barcelona davam shows em terras distintas do planeta em 2011, o espetáculo ganhava jogo, ganhava título, ganhava Libertadores, ganhava Champions League. Infelizmente os tempos já mudaram e não percebemos.

Barcelona x Chelsea, semifinal da Champions League


Cito o passado como forma de fazê-los pensar como era bom pensar no futebol apenas pelo jogo, pelo bom jogo, pelos lances, pelos gols, pelas tabelas, pelos dribles. Mas o Cruzeiro líder do Brasileiro, o Corinthians prestes a vencer a Libertadores e o Chelsea dono da Europa, dão as cartas e levam o futebol à uma nova era, a era da paciência, da defesa, do desarme, do contra-ataque, do truncado, do estudado, do "competitivo". 

Se no passado era a vez de nos depararmos com poesias relacionadas à arte do futebol, como "Pelé", de José Virgílio Gonçalves, o "Gol", de Ferreira Gullar, ou "O Anjo de Pernas Tortas", de Vinícius de Morais, cabe a nós cultuarmos com outras obras ligadas ao momento atual do futebol, refletidas por exemplo, na obra de Tite, Di Matteo e Celso Roth, autores de obras defensivas, nas quais o futebol futuro deve estudar não para aprimorar ou aperfeiçoar, mas sim, vacinar-se e se tornar imune às retrancas que se consagram campeãs em um esporte que antagoniza com o estilo atual praticado em todo o planeta.

Denílson sendo marcado por quatro turcos, semifinal da Copa de 2002



quinta-feira, 28 de junho de 2012

Histórico pra intimidar qualquer prepotência

O gol de Romarinho pode ter sido o gol do título? Pode sim. O Corinthians nunca esteve tão próximo de conquistar a Libertadores? Nunca. Mas calma lá... acho que não podemos nos esquecer de quem está do outro lado, aliás, este que está do outro lado já esteve mais próximo que o Corinthians 9 vezes antes, e alcançou o título 6 delas. Vamos recapitular algumas questões...

Em 2000, o Palmeiras havia empatado o primeiro jogo na Bombonera por 2 x 2, perdeu depois em São Paulo, na disputa de pênaltis. Mais recentemente, o Grêmio, já havia perdido o primeiro jogo na Argentina, em 2007 e voltou a perder no Olímpico, por 3 x 1. O Cruzeiro empatou o primeiro jogo lá, perdeu cá, em 2008, 4 x 2 para os boquenses.

Já foi frisado que o Timão tem um time melhor, tem campanha melhor, tem um merecimento a ser confirmado na quarta feira que vem, mas não deixem que a humildade que foi marcante neste elenco até o momento nesta campanha da Libertadores, afete os jogadores nas vésperas do último jogo, como tem afetado muitos torcedores desde os 40 minutos da última quarta feira.





terça-feira, 26 de junho de 2012

Floresta sem rei



Trinta segundos. Foi o bastante para que a conversa entre a cúpula do São Paulo e o técnico Leão acabasse na demissão do treinador. Após a pressão da torcida e da própria diretoria tricolor, que já havia demostrado impaciência com Leão, o São Paulo agora pensa em outros nomes de peso para assumir um dos melhores elencos do Brasil.

Os nomes vão desde Cuca até Levir Culpi. Muito improvável a chegada de Cuca, já que o Galo montou um ótimo elenco para este Brasileirão 2012. Levir Culpi ninguém sabe como está. Há muito tempo fora do páis, seu último grande trabalho foi exatamente no Atlético-MG, em 2007, onde subiu a equipe da segunda para a primeira divisão do futebol nacional. Já nomes como Adílson Batista, Paulo César Gusmão e Paulo Autuori, são sempre incógnitas lembrando que todos os clubes órfãos de treinadores cogitam este pacote de especulação.

Resta sabermos qual será o profissional que aceitará acatar as decisões do White, Black and Red Label, seu Juvenal Juvêncio, presidente responsável pelo afastamento de Paulo Miranda, por exemplo, após a eliminação no Campeonato Paulista. Poder "Absolut" o novo técnico não terá, mas que um grande elenco pode auxiliar na evolução do São Paulo nessa temporada, não há sombra de dúvidas.

"Nunca vi o Anderson Silva falar assim" (D.White)

Está certo que Anderson Silva representa hoje, no Brasil, muito mais do que simplesmente um lutador de UFC. O Spider é garoto propaganda de Gillette, Budweiser, Burguer King. Participar do programa da Xuxa, do programa do Jô e ser boa gente, tudo bem que é digno de respeito, mas chegou a hora do melhor lutador de todos os tempos ter o seu momento de ira.

Foram com frases de grande efeito que Anderson Silva assustou a mim, aos espectadores do UFC e até mesmo ao Dana White, chefão deste evento. Anderson disse: "Por baixo, por cima, de lado, em pé... Ele vai apanhar, vai apanhar muito. Não tem conversinha dessa vez. Quando entrar lá dentro vai engolir todos os dentes da boca dele. Vou arrancar dente por dente. Depois que eu bater nele muita gente vai ficar assustada com o que vai acontecer com o esporte. Estou dedicado, preparando para fazer uma coisa que ninguém nunca fez no UFC, quebrar Chael Sonnen inteiro. Perna quebrada, cara quebrada, vou quebrá-lo inteiro. Ele está escutando, vai apanhar muito, vai sair de maca lá de dentro". 

Por essas e outras, o card 148 do UFC é o mais aguardado de todos os tempos, dia 7 de Julho. É a hora de Anderson Silva provar que não existe clavícula quebrada e pouco tempo de treinamento. Existe sim, o maior lutador de todos os tempos. A divulgação da luta é sua, Spider: "No dia 7 vou acabar com a cara dele e com cada um dos dentes da boca".


segunda-feira, 25 de junho de 2012

Time de um só

Semana passada, contra o Coritiba, o Flamengo mostrou que poderia sim ser perigoso às equipes de maior respeito hoje no futebol brasileiro. Mas não havia mostrado antes, muito menos nessa última partida, contra o Grêmio, em Porto Alegre.

Contra o Coxa, as jogadas articuladas pela direita com Magal, as aparições constantes de Ibson ao ataque e as chegadas "surpresas" de Luiz Antônio na grande área surgiram com grande efeito. Mas o Mengão voltou a se espelhar negativamente em um velho rival carioca. Assim como havia a chamada "Loco-dependência", no Botafogo, vejo hoje uma "Love-dependência" no rubro-negro.

Está certo que o artilheiro do amor está lá pra isso, aliás ganha pra isso. Corre, dribla, busca jogo no meio de campo e marca gols com uma facilidade incrível, como poucos, mas... e quando Vágner Love não puder jogar? E se machucar? E se, por obséquio, estiver em um dia não muito inspirado? Vai acontecer como hoje. O Flamengo precisa dar mais atenção ao razoável elenco que tem e parar de visualizar em Vágner Love um título brasileiro ou vaga na Libertadores. O Flamengo deve parar de atuar como se fosse o time de um só.


3 + 3 + Celso Roth



Antes de qualquer crítica ou imposição da torcida cruzeirense, esclareço que torço muito para que o Cruzeiro volte a ser tão campeão quanto foi em 2003. Mas para a indignação do meu amigo Daniel e de vários torcedores da Raposa, seria de extrema chateação que este Cruzeiro de hoje, líder do campeonato e com 14 pontos ganhos, fosse assim até o fim e levasse o caneco, o porquê, eu explico.

É através da seguinte fórmula: (3 + 3) + Celso Roth que o Cruzeiro vai arrancando os seus pontos, e foi assim sábado, diante do Vasco. Escalação inicial com Léo na direita (zagueiro), Victorino e Mateus (zagueiros), Charles, Leandro Guerreiro e William Magrão (volantes). Jogo feio, onde jogadores técnicos como Felipe e Éder Luis, não tiveram sua vez no jogo. Graças à Montillo, Wellington Paulista e à uma retranca absurda, feia e que na minha opinião, estraga qualquer arte e técnica de qualquer equipe do Brasil, a Raposa levou a melhor.

Não só do Brasil, não é? Ultimamente vimos na Champions League o Chelsea fazendo o mesmo contra Barcelona e Bayern. Será este o futuro do futebol? Espero então que este futebol mude, o Cruzeiro mude, mas que o Cruzeiro vença.




Tradição à frente





Teria como compreender essa vitória do Corinthians, reserva, contra o Palmeiras titular, em pleno Brasileirão, torneio este que o alvinegro havia conquistado apenas um ponto, justamente arrancado diante do Figueirense, no Pacaembu, única partida em que o Timão entrou com a equipe toda considerada titular. Dá pra entender? Até dá. Foi quando escutei as palavras de Lúcio de Castro, comentarista da ESPN Brasil, no Rio de Janeiro...

Disse o jornalista que foi assistir à Cuba x Brasil, pelo Grand Prix de vôlei feminino, onde a seleção cubana contava com jogadoras muito inexperientes, jovens, até limitadas tecnicamente, já que algumas atletas por lá refugiam e saem do país. Resultado final: jogo equilibradíssimo, tenso e o Brasil venceu por 3 sets a 2. Não importa o time, não importa a vantagem. 

Sempre existirá a força e a tradição de um clube, ou até de um atleta, por trás de tudo isso. Que sirva até mesmo para os corintianos refletirem um pouco mais sobre o seu mais importante e futuro adversário, o Boca Juniors, pela final da Libertadores. 





quarta-feira, 20 de junho de 2012

Assunto muito Loco!

Como grande admirador de Loco Abreu, vou deixar as questões pessoais um pouco de lado e tentar resumir o que acontece com o atacante uruguaio atualmente.

Loco é um ídolo que o Botafogo procura há muito tempo, desde Túlio Maravilha a nação alvinegra não tinha um protagonista que chamasse tanto a atenção dos adversários e da mídia. E essa paixão é recíproca. Loco estampou o escudo do Glorioso em sua camisa supersticiosa, levou a bandeira alvinegra no pódio da Copa América junto à seleção uruguaia. De reciprocidade ninguém deve contestar.

Fato é que Abreu deseja jogar mais uma Copa do Mundo. O jogador não foi polêmico, apenas foi sincero na sua declaração de que precisa ser titular se quiser ir ao Mundial, afinal, não é qualquer atleta de 35 anos que é convocado. Não houve desrespeito com Oswaldo de Oliveira e muito menos com o plantel.

Com a saída de jogadores já planejada pelo clube, Maicosuel e Herrera devem sair, o resto, na minha opinião, é especulação. Loco Abreu acaba de assinar contrato com a Puma, mesma fornecedora de materiais esportivos do Botafogo. Herrera já está praticamente vendido ao Oriente Médio, sendo assim, a titularidade de Loco Abreu está garantida e sua saída, parcialmente suspensa. Sem essa de Vasco, Corinthians, Palmeiras ou Flamengo. O Loco Abreu é do Botafogo!


domingo, 17 de junho de 2012

Confirmado: Seedorf é do Fogão!

Depois de quase dois meses indo atrás de notícias sobre Seedorf no Botafogo e tendo de se contentar com simples especulações, consegui falar com umas das fontes ligadas ao Botafogo e à Rádio Globo do Rio de Janeiro, e ainda nesta semana, Seedorf assina com o Botafogo.

Provavelmente, será um contrato de 1 ano e seis meses, com salários mensais de R$450 mil reais, sem contar premiações e porcentagens referentes à venda de uniformes com o nome do jogador.

Uma grande notícia para a torcida alvinegra, que andava carente de ídolos e agora conta o símbolo Loco Abreu, Renato comandando no meio de campo e Seedorf, que pelo menos se espera, o grande maestro desta equipe. Equipe difícil de fazer alguma previsão para este ano, já que ganha partidas como Inter e Coxa fora e perde de virada para o Cruzeiro e com um a mais em campo, para o Náutico. Mas que com a contratação de Seedorf a chance de evoluir é grande, isso é!

Clarence Seedorf



sexta-feira, 15 de junho de 2012

Vai lá ser campeão!

Fui ao estádio do Morumbi para assistir a São Paulo x Coritiba, semifinal da Copa do Brasil e pude tirar algumas conclusões e ressaltar alguns pitacos antes citados pelos anti-tricolores. Festa linda da Independente, gol justo para o melhor jogador em campo e grande vantagem para a segunda partida. Sim, grande vantagem!

Eu e meu tio Fábio no Morumbi

Antes do jogo, os jogadores mais ovacionados pela torcida eram Luís Fabiano e Lucas, os mais questionados, Casemiro e Paulo Miranda. Dito e feito! Casemiro substituído no intervalo e Paulo Miranda expulso. Luís Fabiano mandou bola na trave e Lucas fez o gol milagroso da partida, sendo assim, o panorama deve ser mantido.

Outro fato estranho é com relação ao público. Dizem que são paulinos aparecem ao Morumbi apenas para jogos de Libertadores. Não comungava desta opinião, mas depois de uma semifinal de Copa do Brasil, primeira partida em casa e vários lugares vazios me fizeram mudar o pensamento. Digo isso porque compareci em 2004 ao jogo entre São Paulo x Once Caldas, pela semifinal da Libertadores e não conseguia me movimentar na arquibancada. Eram quase 70 mil tricolores de 2004, contra 40 mil de ontem.

Acorda tricolor! O São Paulo está prestes a voltar à Libertadores, torneio em que me acostumei a ver a equipe disputar todos os anos. A Libertadores não é a mesma sem vocês, mas vocês também não são os mesmos sem a Libertadores.


quinta-feira, 14 de junho de 2012

Com um pé na final !


Se de um lado da chave das semifinais da Libertadores temos um confronto espetacular entre Santos e Corinthians, no qual o alvinegro de Parque São Jorge saiu na frente, mesmo jogando na Vila Belmiro, na outra semifinal, as coisas não são menos emocionantes. O confronto do sempre temido Boca Juniors contra a vistosa equipe de La U não deixou a desejar. E o Boca conseguiu dar um grande passo rumo à final após a vitória por 2 a 0 em plena La Bombonera.
Alguns comentaristas, geralmente pouco informados, diziam no começo da competição que a equipe argentina estava ‘meia boca’. Grande engano. Como característica de seu técnico Julio Falcioni, os xeneizes apresentam um padrão de jogo muito sólido, com uma defesa segura e com jogadores de meio de campo que chegam ao ataque com muito perigo.

Silva faz o giro e bate para marcar o primeiro gol do Boca
Pela Universdad de Chile, mais conhecida apenas por La U, o futebol bonito e ofensivo que conquistou a Sul-Americana de 2011 precisou de algumas novas peças de reposição, por conta da saída do zagueiro González e do atacantes Vargas, mas manteve-se em um nível elevadíssimo. Não à toa chegou até esta semifinal de Libertadores.
Como sempre ocorre em partidas importantes do Boca em casa, La Bombonera estava totalmente lotada e com uma festa muito grande. Logo nos primeiro minutos, o cenário que duraria a partida inteira foi apresentado aos espectadores: um jogo parelho, com o Boca buscando o ataque e La U tentando encarar de igual para igual os mandantes.
Porém, tanto torcida, quanto a equipe do Boca ficaram, no mínimo, aliviadas com o gol de ‘El Tanque’ Silva logo aos 15 minutos do primeiro tempo. Depois de conseguir criar boas chances com Erviti e Schiavi, o camisa 19 mostrou que é um centroavante de respeito e após cruzamento da direita de Mouche, dominou a bola na marca do pênalti, girou e bateu de canhota para estufar as redes de Johnny Herrera e abrir o placar.
Como de costume, Silva comemora muito ao abrir o placar em La Bombonera
No restante da primeira etapa, chances foram criadas para os dois lados. A La U ganhou campo e cresceu no jogo. Lorenzetti quase deixou tudo igual em bela cobrança de falta, mas viu Orión voar e realizar excelente defesa. Assim, o 1 a 0 a favor do Boca permaneceu no marcador.
Para etapa complementar, a situação da partida se manteve a mesma do primeiro tempo, mas agora com o Boca buscando ampliar a vantagem, enquanto La U corria atrás do empate. No primeiro minuto, Silva quase marcou novamente depois de desvio em cruzamento de Riquelme, mas Herrera salvou La U com uma grande defesa no canto direito. Pouco depois, Mouche teve a chance de marcar o segundo, mas finalizou muito mal por cima do gol.
O tempo corria e o Boca via amadurecer seu segundo tento. La U não assustava mais e ficava acuada em sua defesa. A pressão azul e amarela aumentava e surtiu efeito aos 10 minutos. Erviti recebeu livre na esquerda, arriscou o chute rasteiro, o qual Herrera não segurou. Sanchez Miño chegou de surpresa e só empurrou a bola para o fundo do gol, para explosão dos mais de 42 mil torcedores presentes em La Bombonera: 2 a 0 Boca.
Sanchéz Miño recebe o cumprimento de Riquelme após marcar o segundo do Boca
O Boca queria mais e quase marcou o terceiro, mas Erviti chegou atrasado para completar cruzamento de Mouche. Porém, com o tempo, a partida ficou mais truncada no meio de campo e as chances de gol diminuíram. La U tentou exercer uma pressão ao gol de Orión nos últimos minutos, mas sem sucesso. Desse modo, o relógio foi correndo até o apito final da partida.
Com a importantíssima vantagem de 2 a 0, o Boca pode perder por um gol de diferença em Santiago, ou mesmo por dois gols caso marque ao menos um, que ainda assim se classifica para final de mais uma Libertadores (seria a 10ª da equipe). Para La U, resta jogar mais do que jogou nesta partida para tentar reverter esta desvantagem e chegar à sua segunda decisão. Somente a vitória da La U por 2 a 0 poderá levar a decisão aos pênaltis.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

CR7 agradece. E muito!

Mais uma vez Cristiano Ronaldo é questionado sobre a sua atuação na seleção portuguesa. Para os que pensam da seguinte maneira: "Mas a seleção de Portugal é muito mais fraca do que o Real Madrid". Sim, é mesmo, mas as duas chances claras de gol contra a Dinamarca, pela segunda rodada da Eurocopa, mostra também que o C. Ronaldo de Portugal, é mais fraco do que o C. Ronaldo do Real Madrid.

Foram duas finalizações que já vimos inúmeras vezes sendo concluídas em gol pelo clube merengue, chances que não digo qualquer, mas a maioria dos peladeiros de plantão até marcariam... fica então o agradecimento de Ronaldo à Varela, que entrou no finalzinho e marcou o gol da vitória dos portugueses.

Falar que o entrosamento de Neymar, Messi e Cristiano Ronaldo na seleção não é o mesmo que nas equipes é fato, contestar a técnica entre os jogadores com a camisa da seleção e do clube, é discutível, mas falar que a atuação é bem abaixo do que de costume, é inegável!

Fica então o apoio do brasileiro Ronaldo, pelo twitter, ao xará português: "Já perdi muito gol assim tb. Acontece. Normal".


terça-feira, 12 de junho de 2012

Balela

Bem que achei estranho aquela história de que ganso iria fazer uma cirurgia entre as quartas e as semifinais da Libertadores. E hoje ele treinou, fez gol, correu e alongou. Está tudo certo para a volta de Paulo Henrique Ganso contra o Corinthians neste jogo decisivo.

Isso apenas confunde e contorce os jornalistas que meses atrás davam como certo, por exemplo, a parada de Kleber por 8 meses. Assim sendo, o Gladiador está apto para o jogo contra o Palmeiras, pelas semifinais da Copa do Brasil. Os torcedores ficam como?

A comissão médica pensa mesmo que isso só aumenta a emoção do espetáculo? Pois é, não sei porque. Torcedores adversários lamentam, os torcedores do próprio time desconfiam e os torcedores do futebol, passam a desacreditar de qualquer informação relacionada a este assunto. De agora em diante, a resposta será sempre essa: "Isso é balela".


Ah, esse pode!

Adriano em um passado não muito recente, era visto com armas e bebidas na mão, era frequentemente encontrado em bailes funk, além de faltar em treinos por causa da bebida. Ronaldinho Gaúcho só não foi visto com arma, mas de resto, companheiro nato do Imperador. Agora Vágner Love, que mantém uma média incrível de gols, não falta nos treinamento e volta e meia é pedido na seleção brasileira, este parece não ter culpa no cartório, mas bem que está procurando.

O EXTRA divulgou hoje que o artilheiro do amor teve uma festa daquelas para comemorar em grande estilo os seus 28 anos de idade (clique aqui para ver a matéria completa do Extra), com o término as 6 horas da manhã e reclamação de vizinhos por excesso de barulho e carros nas suas respectivas garagens. Só para premiar, a polícia chegou para acabar com a alegria da galera.

Fato é que se isso acontecesse com Gaúcho, Adriano, já estaria bombando nas páginas de entretenimento e policias. A torcida cairia em cima dos jogadores e dentro de pouco tempo o amor entre o clube e o atleta, iria por água abaixo. Mas com Love é diferente. E é diferente porque ele, ah... ele pode!


domingo, 10 de junho de 2012

666

Na última quinta, o Botafogo fez o segundo gol contra o Cruzeiro. Este foi o último brilho do alvinegro no campeonato. De lá pra cá, bobeadas monstruosas fizeram com que a equipe comanda por Oswaldo de Oliveira, surpresa do campeonato com vitórias sobre São Paulo e Coritiba, parasse por aí com os seus SEIS pontos.

Se contra a Raposa a virada veio em SEIS minutos, neste domingo foi diferente. Começou perdendo por 2 x 0, conseguiu o empate no início do segundo tempo e comandava com um homem a mais. Foi aí que o camisa SEIS do alvinegro, Márcio Azevedo, foi expulso. O Botafogo foi para a retranca, levou o terceiro tento e não deslancha no campeonato como se esperava.

Pelo menos o Botafogo agora conta com o retorno de Loco Abreu, Jefferson, Antônio Carlos e Marcelo Mattos. Agora, como querem seduzir o Seedorf, eu já não sei...


segunda-feira, 4 de junho de 2012

Queijo, doce de leite ou cachaça?

Ronaldinho mal reincidiu seu contrato com o Flamengo e já selou um acordo com o Galo mineiro. O que o presidente do Atlético-MG viu que eu não vi? Dívidas, festas, dívidas, faltas, dívidas, pipocadas e mais dívidas me fizeram acreditar que nem de graça algum clube do Brasil gostaria de contar com as más atuações do Gaúcho.

No próximo clube, encontrará menos pressão, menos expressão, menos camisa. Mas encontrará inegavelmente melhores jogadores, como André, Bernard, Réver e Guilherme. O problema é que se seguir o mesmo rumo o qual seguiu na Gávea, R10 se queimará de vez no cenário nacional. Titularidade com certeza, sucesso talvez, mas credibilidade ele já perdeu.

Do Grêmio para o PSG, do PSG para o Barcelona, do Barcelona para o Milan, do Milan para o Flamengo, do Flamengo para o Atlético. As equipes, atuações e títulos, se colocados em uma linha do tempo, dizem por si mesmos a decadência da eterna esperança de craque brasileiro. Sorte ao Ronaldinho? Não. Acho mais digno desejarmos sorte ao Galo.


sexta-feira, 25 de maio de 2012

A luta continua...


Em uma partida não tão boa tecnicamente, mas muito emocionante como todos outros jogos pelas quartas de finais da Libertadores, o Santos eliminou o Vélez e garantiu presença em mais uma semifinal do torneio continental. O placar da partida foi 1 a 0, assim como na Argentina, e a definição do classificado foi nas penalidades: 4 a 2 para os santistas.
Precisando do resultado, o Santos logo foi para cima do Vélez. Logo no primeiro minuto, o Peixe quase abriu o marcador. Elano cobrou falta para área, Dracena não conseguiu a cabeçada e a bola acabou tirando tinta da trave direita de Barovero.
A equipe do Vélez logo segurou a pressão inicial dos donos da casa. Com muito nervosismo e tendo que enfrentar uma equipe tranquila, que executava com perfeição a famosa catimba argentina, o Santos não conseguia mais chegar ou criar oportunidades claras de gol.
Torcida santista fez a festa antes, durante e depois da vitória do Peixe
Entretanto, a torcida alvinegra não parava de incentivar a equipe e logo viu esse apoio se transformar em resultado dentro de campo. Aos 39 minutos, Neymar recebeu lançamento e tirou do goleiro Barovero, que derrubou o craque santista na entrada da área e foi expulso. Gareca, técnico do Vélez, tirou Óbolo, autor do gol do primeiro jogo, para colocar o goleiro reserva Montoya. O Santos tentou pressionar nos minutos finais do primeiro tempo, mas nada de gol.
Para o segundo tempo, o cenário da partida estava claro: pressão santista, com um jogador a mais, contra uma equipe do Vélez se defendendo, parando o jogo sempre que possível e tentando matar o jogo em um contra-ataque fulminante.
Como opção para furar a retranca do Vélez, o chute de fora da área era uma boa opção. Adriano arriscou da intermediária e obrigou Montoya a realizar boa defesa. O Vélez não ficava recuado e chegou com perigo em tentativa de Fernandez e Martinez, que pararam no goleiro Rafael e na falta de pontaria.
Neymar buscava jogo, mas se via muito bem marcado pelo jovem Peruzzi. O Santos precisava então de alternativas. Alan Kardec teve sua grande chance, mas desperdiçou após recebe livre, avançar e bater em cima do goleiro Montoya. Muricy Ramalho então decidiu mudar a equipe. Sacou Juan, que não fazia boa partida, e colocou o experiente Léo. E o lateral esquerdo de 36 anos chamou a responsabilidade. Ele pegou a bola na meia esquerda, tabelou com Ganso e deixou a bola para Alan Kardec na entrada da área. O Atacante se redimiu da chance perdida e bateu cruzado no canto direito, marcando o gol que levava a partida para os pênaltis.
Alan Kardec é abraçado por Neymar e Léo após marcar o gol santista
Após o gol santista, a partida ficou nervosa, com muitas faltinhas e poucas chances de gol. O tempo correu e o árbitro Roberto Silveira apitou o final de jogo aos 48 minutos.
Nas cobranças de pênaltis, o Vélez abriu a contagem com Martinez, mas logo Alan Kardec deixou tudo igual. Na sequência, Canteros pegou muito mal na bola e isolou a segunda cobrança pelos visitantes. Ganso teve tranquilidade e bateu firme no canto direito para colocar o Santos em vantagem: 2 a 1. Emiliano Papa, experiente jogador do Vélez e com passagem pela seleção argentina, sentiu a pressão e a malandragem de Rafael, e perdeu outra penalidade. Elano foi para batida pelo Santos e colocou o Peixe em ótima vantagem.
No quarto pênalti, Sebá Dominguez tinha a obrigação de marcar, caso contrário, o Santos já estaria classificado. O zagueiro do Vélez converteu, mas apenas adiou por alguns instantes a festa na Vila Belmiro. Léo, o mesmo que entrou na partida no segundo tempo e começou a jogada do gol, teve então em seus pés a bola da semifinais. E o camisa 3 não decepcionou e estufou a rede para levar toda sua torcida à loucura: 4 a 2 para o Santos nas penalidades.
Léo vibra muito após converter a última e decisiva penalidade
O adversário nas semifinais não é fácil, mas Neymar e companhia estão confiantes e seguros de que podem passar pelo Corinthians para continuar em busca do tetra da Libertadores. É esperar para ver mais esse emocionante confronto!

quinta-feira, 24 de maio de 2012

¡ BOCA CARAJO !


A expressão estampada na capa do jornal argentino ‘Olé’ retrata com exatidão o sentimento e o grito que os torcedores do Boca Juniors tiveram após o gol de Santiago Silva, já aos 45 minutos do segundo tempo, contra o Fluminense, ontem no Engenhão. Isso porque este não foi qualquer gol. Foi o gol da classificação dos xeneizes às semifinais da Libertadores de 2012.
Após uma derrota em La Bombonera por 1 a 0, o Fluminense precisava sair para o jogo logo no início da partida no Rio de Janeiro. E assim o fez. O tricolor das Laranjeiras foi para cima do Boca, tinha o controle da bola, mas não chegava a assustar  o goleiro Orión. Porém, em um lance de sorte, tudo o que jogadores e torcida do Fluminense queriam aconteceu: o primeiro gol. Em falta da intermediária, Carleto concretizou o que seu pai havia sonhado antes do jogo. Com um chute não muito bom, o lateral contou com um desvio na barreira, para ver a bola entrar no canto esquerdo, rente à trave, deixando Orión sem ação na jogada.
Carleto no momento da falta que abriu o placar no Engenhão
Pronto. O Flu já havia tirado a vantagem que o Boca obtivera no primeiro jogo. Agora era só continuar a fazer seu jogo e tentar ampliar a vantagem. Entretanto, não era qualquer adversário que estava do outro lado. Era o seis vezes campeão da Libertadores e tri mundial Boca Juniors. O Fluminense levantava muitas bolas para área, mas sem obter êxito nessas jogadas pelo alto. Assim, o Boca levou a desvantagem de 1 a 0 para o vestiário.
Para o segundo tempo, a equipe argentina voltou com uma postura diferente e não deixou o Fluminense exercer grande pressão em nenhum momento. O jogo havia ficado equilibrado.
O resultado de momento levava a disputa para os pênaltis, mas apenas um gol na partida mudava tudo. Se fosse do Flu, obrigava o Boca a ir ao ataque em busca de ao menos um tento. Entretanto, caso os xeneizes empatassem a partida, os donos da casa é que necessitaria marcar mais dois gols, uma missão ingrata e muito difícil.
As chances não foram muitas para nenhuma das equipes, mas elas aconteceram. A bola do jogo poderia ter sido o desvio de perna direita de Rafael Sóbis após cruzamento rasteiro de Thiago Neves, mas, caprichosamente, o chute tirou tinta da trave direita do Boca e saiu pela linha de fundo.
O jogo se encaminhava para os últimos minutos e as penalidades pareciam ser o destino da decisão. Mas foi quando a partida já entrava nos acréscimos que as estrelas do Boca decidiram aparecer. Riquelme conseguiu lindo lançamento na direita para Rivero, que invadiu a área e bateu cruzado. Cavalieri fez dois milagres no lance, desviando a bola para trave e depois salvando em cima da linha. Porém, a bola ficou viva no meio da área, pronta para ‘El Tanque’ Silva chegar batendo para o fundo das redes, empatando a partida e selando a classificação do Boca.
Silva comemora o gol da classificação xeneize
Com a vaga garantida, o Boca demonstra ser cada vez mais um time ‘copeiro’, principalmente na competição mais importante das Américas. Agora, os xeneizes esperam a definição de seu adversário. Pode ser o vencedor do confronto entre La U x Libertad ou o Vélez Sarsfield, caso este elimine o Santos na noite desta quinta.